Olho d'água, v. 2, n. 2 (2010)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

A céu aberto, de João Gilberto Noll: identidade narrativa, biografias do corpo, transgressão e subjetividades

Giuliano Hartmann

Resumo


A narrativa contemporânea em sua relação com o universo circundante recupera e projeta o mundo sob novas perspectivas, reinventando vidas e experiências, refletindo assim, as necessidades e inseguranças do objeto que a alimenta, ou seja, o homem em sua existência fragmentada. Nesse sentido, esse artigo busca verificar a viabilidade de diálogos possíveis, envolvendo o romance A céu aberto (1996), de João Gilberto Noll, e suas relações subjetivas com a experiência mínima do corpo quando parece não haver mais o que narrar. Percorrendo as reflexões de Georges Bataille, Terry Eagleton, Zygmunt Bauman entre outros, o personagem nolliano revela sua única experiência possível na alta modernidade líquida, uma que só pode existir sendo talhada na carne.


Texto Completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Resultado de imagem para erih plus periodicos

Resultado de imagem para livre periodicos

Resultado de imagem para endereço imagem redib 

Resultado de imagem para redib

Resultado de imagem para mla international bibliography

Resultado de imagem para oaji periodicos

Resultado de imagem para capes periódico