Olho d'água, v. 2, n. 2 (2010)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

As voltas com Marianas, Marias e - por que não? - José?

Paola Poma

Resumo


A intenção desta leitura crítica é apontar o diálogo entre tradição e contemporaneidade, na literatura portuguesa, partindo do desejo e do sofrimento amorosos introjetados e projetados pela famosa freira de Beja - Mariana Alcoforado - abandonada por seu amante o Marquês de Chamilly. Se o estudo tem como mote as Cartas Portuguesas, escritas no século XVII, a primeira volta se dá com a edição em 1972 das Novas Cartas Portuguesas - escritas por três mãos: Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa. Aqui, evidencia-se o viés, senão sociológico, fortemente denunciativo da opressão vivida pela mulher nas suas mais variadas formas. A segunda volta surge em dois momentos da obra da poeta Adília Lopes: O Marquês de Chamilly (Kabale und Liebe) - 1987 e O regresso de Chamilly - 2000. Estes livros reatualizam a imagem da freira agora em chave irônica e erótica. Entretanto, diante de releituras tão diversas, é possível levantar uma questão comum entre todas: o problema da autoria. Seria a freira de Beja um simulacro de Guilleragues? E as três Marias, uma única voz? E o caso Adília Lopes? Esta análise é uma tentativa de compreender o “rumor” (tradição) criado pelo jogo de intertextualidade e pelo confronto entre escritor e leitura que percorre estes textos contemporâneos.


Texto Completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Resultado de imagem para erih plus periodicos

Resultado de imagem para livre periodicos

Resultado de imagem para endereço imagem redib 

Resultado de imagem para redib

Resultado de imagem para mla international bibliography

Resultado de imagem para oaji periodicos

Resultado de imagem para capes periódico