Olho d'água, v. 2, n. 1 (2010)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

VIDA, AMOR E MORTE EM POESIA: MANOEL DE BARROS E HILDA HILST

Susana Moreira de Lima Bigio

Resumo


Neste artigo, a reflexão gira em torno do fazer poético de Manoel de Barros e de Hilda Hilst sob o enfoque temático vida e morte, observando-se o trabalho desses escritores no que se refere ao uso da palavra na construção dos poemas e à subjetividade do poeta impressa na obra, a partir de sua materialidade e da busca de compreensão do significado da existência do ser, seja através da finitude e continuidade deste no ciclo da natureza, seja aproximando no mesmo o caráter divino e humano, passando pelo corpo – sua fragilidade, deterioração, envelhecimento – para chegar ao sublime. Nessa perspectiva, o amor é visto enquanto elemento constituído de vida e morte, como um ciclo que começa e termina, e, portanto, pode abarcar literariamente a experiência humana. No tecer poético de ambos os poetas, a morte é transmutação, portanto, outra vida e, já que “ninguém é pai de um poema sem morrer”, morte é nova vida não só do ser, mas da literatura, uma vez que Manoel de Barros e Hilda Hilst inscrevem nesta, através do caráter crítico de suas obras, um constante questionar-se acerca da produção literária.

Texto Completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Resultado de imagem para "erih plus"

Resultado de imagem para "livre" periodicos

Resultado de imagem para endereço imagem redib 

Resultado de imagem para "redib" periodicos

Resultado de imagem para mla international bibliography

Resultado de imagem para "oaji" pOpen Academic Journals Index