Olho d'água, v. 1, n. 2 (2009)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

A maldição das palavras e o sujeito dilacerado de Marcelo Mirisola

Márcio Scheel

Resumo


Há uma vertente da literatura contemporânea brasileira que se articula em função de narradores em primeira pessoa que colocam em jogo a problemática do próprio gesto criador, da expressão de uma subjetividade conflitiva, cindida entre o mergulho vertiginoso em si mesma – o que implicaria em uma renúncia ao mundo e ao real, fazendo da obra sua única matéria – e a participação social, não como tomada de consciência, mas como o reconhecimento dos limites e impasses que a representação do real impõe à escritura. Nesse sentido, o presente artigo propõe uma leitura do romance O azul do filho morto (2002), de Marcelo Mirisola, procurando situá-lo no interior da recente produção literária brasileira, bem como pensar sua narrativa a partir da complexa noção de autoria que seu romance põe em circulação, já que este produz uma intrincada imbricação entre o sujeito ficcional e a imagem empírica do próprio escritor, rompendo e confundindo os limites entre o discurso da ficção e a realidade extralinguística que ele evoca, manipula, distorce e instabiliza no processo representacional.

Texto Completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Resultado de imagem para erih plus periodicos

Resultado de imagem para livre periodicos

Resultado de imagem para endereço imagem redib 

Resultado de imagem para redib

Resultado de imagem para mla international bibliography

Resultado de imagem para oaji periodicos

Resultado de imagem para capes periódico